Corrimento Vaginal Cores, Perigos, Como Tratar

O corrimento vaginal pode se surgir na vida de uma mulher tanto como um fluído normal, como também um sintoma de doenças ou infecções do aparelho reprodutor, da vagina, enfim, é um aviso de que algo não está bem.

Mas existem meios de identificar o corrimento considerado normal e o doentio.

Pelo aparência do corrimento normal

Este é de consistência aquosa e é com aspecto transparente, e não possui cheiro algum.

Pela aparência do corrimento doentio

Normalmente apresenta-se com cheiro forte que pode ser de peixe ou outro cheiro e traz colorações que pode ser amarelada, verde, cinza ou marrom, branco.

Junto a este corrimento vem outros sintomas como a coceira vaginal ou na região genital, dor ou ardor. Nestes casos, é de suma importância buscar ajuda médica para diagnotiscar qual seja o problema o mais rápido possível e ainda poder assumir um tratamento adequado.

corrimento vaginal

Vamos descrever os principais tipos de corrimento e suas causas. Veja:

Corrimento esverdeado – Tricomoníase

Normalmente quando acontece este tipo de corrimento vaginal, vem junto o mau cheiro, e este pode ser de consistência líquida ou mais espesso, e também pode trazer a característica de ser bolhoso. É um causador de grande desconforto, provocando coceira intensa, ardor ao urinar e dor na hora do ato sexual.

Geralmente é causado pela tricomoníase e causa grande desconforto na mulher.

Tratamento – o tratamento normalmente é feito através de antibióticos como o Secnidazol, Tinidazol e Metronidazol.

Claro que existem ainda outros tipos de antibióticos. Esses remédios devem ser administrados normalmente 2 vezes ao dia, durante 5 a 7 dias, ou ainda em dose única com alta concentração. Nunca deve-se automedicar e sim buscar a ajuda médica e seguir a prescrição adequada.

Durante pelo menos 48 horas após o término do medicamento, é aconselhável ficar sem beber bebidas com álcool para que o remédio realmente possa fazer o efeito necessário no combate ao tricomoníase.

Corrimento branco com coceira – Candidíase

Este é um corrimento causado pela candidíase um fungo já existente no meio vaginal, mas que devido a baixa na imunidade da mulher, acaba se multiplicando de maneira descontrolada, causando coceira, ardor e muito desconforto. Além disso, o corrimento é branco e espesso.

Nos dias que antecedem a menstruação, o problema pode aumentar devido a baixa na imunidade. Mulheres diabéticas, grávidas e mulheres que estejam fazendo uso de antibióticos, também podem ser alvo mais fácil destes fungos.

Tratamento – estes fungos devem ser combatidos com medicamentos antifúngicos ou também podem ser usados na vagina em forma de cremes e comprimidos.

Corrimento acinzentado, amarelado ou esbranquiçado com mau cheiro

Quando um desses tons de corrimento tem cheiro desagradável, parecendo de peixe, é um sintoma evidente de infecção. Pode acontecer também a dor ao urinar e perda de sangue fora do período menstrual.

Geralmente é causado por bactérias como a clamídia, por exemplo. Se não for tratado adequadamente, este tipo de infecção pode causar danos a mulher como doença inflamatória da pélvis, infertilidade e aborto, além de gravidez ectópica.

Se junto a este corrimento de qualquer destas cores, ainda tiver uma espumosidade, o causador poderá ser um protozoário coimo o Trichomonas Vaginalis. Quando este e o causador, a secreção aparece geralmente após a menstruação.

Tratamento – o tratamento deve ser a base de antibióticos como o Azitromicina. Este tratamento pode durar de 7 a 15 dias conforme prescrição médica.

Corrimento marrom líquido ou com sangue

Este tipo de corrimento normalmente acontece logo após o período menstrual e pode ser causado pelo câncer de vagina, câncer do colo do útero ou do endométrio.

Mas também pode acontecer devido ao implante de anticoncepcionais, pode acontecer durante a gravidez sem problemas mais graves, enfim, o conselho é se este corrimento perdurar por mais de 3 dias, você deve imediatamente procurar o médico.

Este corrimento também pode ser um indício de contaminação pelo vírus HPV.

Se o corrimento também for acompanhado de dor abdominal de cheiro fétido e coceira, também deve-se correr ao médico.

Pode acontecer também deste ser intercalado com sangramento avermelhado, neste caso também não deixe de buscar o médico.

Tratamento – o médico deverá fazer o diagnóstico adequado, e poderá administrar antibióticos do tipo Ceftriaxoma ou Aritromicina. No caso de tumores ou câncer, o tratamento poderá incluir quimioterapia ou radioterapia.

Como fazer a Identificação do corrimento

É muito importante que você mulher observe que tipo de corrimento está tendo. E para descobrir é importante que você observe o fundo da calcinha todos os dias, e também preste a atenção ao papel higiênico utilizado logo em seguida a micção.

Quanto ao médico, normalmente o agente causador já poderá ser identificado somente através da descrição feita pela mulher, mas exames como papanicolau, podem ser pedidos para garantir todo e qualquer pré diagnóstico ou mesmo quando não se consegue ter uma definição do problema.

Como tratar o corrimento vaginal

O tratamento será determinado pelo médico de acordo com o diagnóstico de cada mulher, deve ser específico para cada agente causador.

Para alguns tipos do problema, uma única dose poderá ser suficiente para acabar com o problema, já noutros tipos de corrimento, o tratamento deve se estender por mais tempo, especialmente quando a base de antibióticos.

  • Então, pode levar até 15 dias dependendo do tipo do agente. O correto é que não só a mulher se trate, mas também o seu companheiro, para evitar qualquer reinfecção.
  • É importante também manter a higiene diária da região genital, mas sem exageros. Duas vezes ao dia já será suficiente, assim como o uso apenas de água já será o suficiente.
  • Nunca use sabonetes ou produtos com cheiro na região intima, pois eles provocarão a proliferação dos fungos e bactérias. se usar sabonete íntimo não use mais do que uma ou duas vezes ao dia também.

Mycoplasma Genitalium

Pode atacar tantos os homens como as mulheres causando danos como a infertilidade, infecção do útero nas mulheres e inflamação da uretra, dos testículos e da próstata nos homens.

É uma bactéria transmitida através do ato sexual e precisa ser combatida através de antibióticos imediatamente após o contágio para não piorar.

Nas mulheres pode acontecer sangramento fora do período menstrual, enquanto nos homens pode acontecer um corrimento aquoso do pênis.

Alguns dos sintomas que também podem acontecer tanto em homens como mulheres são:

Febre, dor na região da pélvis, dor nas relações sexuais e ardor e dor ao urinar.

O diagnóstico deve acontecer através de exame realizado a partir da secreção do pênis e do útero ou exame de urina.

O tratamento deve ser especificado pelo médico e deve ser estendido tanto a mulher como ao parceiro infectados.

Como deve ser a secreção normal da vagina

A secreção da vagina saudável é trasnlúcida e não tem cheiro desagradável. O cheiro de uma vagina saudável é próximo ao do ácido lático ou seja do iogurte e é de gosto levemente adocicado. A quem diga que a vagina é muito mais limpa do que a própria boca, pura tanto quanto o iogurte natural.

Quando a vagina tem equilíbrio no seu grau de acidez ou seja o PH entre 3,8 e 4,5, esta estará saudável, livre de fungos nocivos e bactérias que causam os corrimentos horríveis acima citados.

Então, é importante uma alimentação saudável para manter a imunidade adequada do organismo, bem como o cuidado para evitar infecções e microorganismos que podem ser adquiridos através do ato sexual, quando realizado indevidamente.

O uso de camisinhas, de duchas higiênicas, o uso de cremes vaginais sem prescrição médica, podem ser causadores de infecções vaginais crônicas, que se instalam e desequilibram toda a flora vaginal.

A atividade sexual com diversos parceiros também é um problema grave que pode provocar infecções terríveis porque o sêmen do homem pode variar na sua alcalinidade.

Mas se a mulher tem somente um parceiro, a vagina se familiariza com o mesmo sêmen do parceiro, e acaba não dando chance para infecções vaginais.

Leia também